Insuficiência Valvar
Juan Blancas
/ Categorias: Pequenos animais

Insuficiência Valvar

A cardiopatia mais comum nos cães de pequeno porte

A Insuficiência valvar (IV), também conhecida como Degeneração Mixomatosa Crônica Valvular, é a cardiopatia mais comum no cão, principalmente em raças de pequeno porte. A degeneração acomete mais a valva mitral (62%), podendo ocorrer, ainda, a associação desta com a valva tricúspide em 33% dos casos.

A prevalência e a gravidade das lesões estão relacionadas à idade e a raça. Cães idosos e de raças de pequeno porte são os mais afetados. O cão da raça Cavalier King Charles Spaniel, é uma raça que 10% dos cães apresentam algum grau de insuficiência valvar com idade inferior a um ano de idade, sendo que animais com menos de seis anos de idade apresentam lesão grave com maior prevalência, cerca de três vezes maior que cães de outras raças.

Relata-se maior frequência nos machos, sendo as raças de pequeno porte, tais como Poodle, Schnauzer, Chihuahua, Pinscher, Fox Terrier, Lhasa apso, Shi tzu, Boston Terrier, Teckel, Cocker Spaniel, Whippet, Bichon Frisé, Maltês, as raças em que a doença ocorre mais. A insuficiência valvar é uma cardiopatia de etiologia desconhecida, sendo provável um componente hereditário nas raças de pequeno porte. Outras etiologias para IV, incluem estresse, hipertensão, hipóxia (baixa concentração de oxigênio dos tecidos orgânicos), infecção viral e uma variedade de alterações endócrinas.

Os sinais clínicos não são observados até que os cães estejam com oito anos de idade ou mais, exceto no Cavalier King Charles Spaniel, onde os sinais podem aparecer com menos de um ano de idade. Os animais são encaminhados ao veterinário por duas razões: consulta de rotina ou vacinação, quando então é detectado um “sopro” no exame físico.

A tosse é o sinal clínico mais comum, sendo a principal queixa do proprietário, cansaço, intolerância ao exercício, dificuldade respiratória (dispneia), aumento da frequência respiratória (taquipnéia), são outros sinais clínicos comumente encontrados. Em casos mais avançados, desmaios (síncope), mucosas pálidas e até mesmo morte súbita podem ocorrer.

Procure um cardiologista veterinário, ele é o único responsável por diagnosticar e identificar a doença cardíaca a tempo do animal receber o tratamento adequado. Isso certamente irá prolongar a vida do seu cão.

Print
10541 Rate this article:
Sem nota

Please login or register to post comments.

x
Loading
  • Assine Nosso Blog

    Fique por dentro das novidades. Receba nossas atualizações.