Radiologia veterinária digital
Juan Blancas

Radiologia veterinária digital

A diferença entre os sistemas digitais de radiografia CR e DR

No mundo da radiologia veterinária digital, você pode ter ouvido vários termos, como CR, DR, DDR e CCD. Um pouco confuso, certo? Não se preocupe, vamos explicar as diferenças entre esses termos para ajudar você a entender cada um deles.

 

Vamos começar com uma breve definição sobre o que é radiografia digital

 

Basicamente, é a captura eletrônica de uma exposição ao raio x, através de um dispositivo que converte o raio x em um sinal digital (imagem digital) para ser visualizada e fornecer um estudo radiológico

 

Essa imagem de raio x pode ter vindo de uma das três tecnologias (CR, CCD e DR / DDR), mas, qual é a diferença entre essas tecnologias e, qual é a certa para você? Vamos lá,

 

Radiografia computadorizada (Computed radiography CR) para veterinários


Esta modalidade é principalmente difundida pelo seu menor custo. Essa tecnologia requer que o gerador dispare o raio x diretamente sobre uma cassete CR (disponíveis em vários tamanhos diferentes) que contêm uma tela de fósforo reutilizável, bem similar como são feitas as fitas cassetes de filme.

 

 

A cassete de CR é colocado num processador. Assim, o leitor de CR, energiza a tela com um 'laser'. Isso faz com que as emissões de luz correspondam à energia transmitida pela exposição ao raio x. O leitor de CR aplica a luz ultravioleta sobre a tela de fósforo para apagar a imagem latente que fica à esquerda da tela de fósforo. 

O tempo entre a exposição e até aperecer a imagem digital na tela do computador é aproximadamente de um minuto.

Os sistemas mais rápidos produzem até 60 placas por hora. Enquanto outros somente 20 placas por hora.

 

 

Close Couple Device (CCD) 

Essa tecnologia não é tão difundida, pois, o custo é bem maior do que o CR. Da mesma forma que a tecnologia CR, o gerador de raio x é acionado, mas desta vez sobre um receptor sob a mesa que contém um dispositivo CCD que possui uma tela que emite luz quando atingida por raio x, receptor. 

 

Dito de outra forma, funciona como uma espécie de câmera digital na base de uma mesa de raio x. Leva apenas alguns segundos da exposição para ver uma imagem. No entanto, devido à natureza do receptor CCD, a exposição à radiação é maior que a dos sistemas CR ou DDR para obter uma imagem razoável. 

 

A qualidade da imagem normalmente não é tão boa quanto filme, CR ou DR.

 

Radiografia digital direta (DDR às vezes chamada apenas de DR)

Essa tecnologia é a mais usada e reconhecida como o caminho a seguir na prática veterinária de pequenos animais, pois, o custo da mesma tem sido um fator para a adoção moderada das clínicas veterinárias e a qualidade da imagem é reconhecida como a melhor qualidade disponível. 

 

 

O DDR usa seu gerador de raio X para expor um painel que está situado sob a mesa de raio x. Esse painel é feito de um material cintilado (silício amorfo, césio ou selênio) que converte o raio x em luz, e posteriormente transformado em um sinal digital convertida em uma imagem.

 

Esse processo leva alguns segundos, embora o painel possa ser tão grande quanto o cassete, ou seja, 35 x 43 cm. A resolução e a qualidade da imagem são insuperáveis ​​devido ao tamanho e à sensibilidade do painel.

 

É importante dizer que dependendo do material cintilado, a qualidade da imagem será melhor.  

 

Para finalizar, só resta fazer um destaque nos benefícios destas tecnologias de radiologia veterinária digital (CR e DR):

  • Economia de espaço: Não há necessidade de câmara escura
  • Melhor consistência do raio x: Não requer processamento por via úmida
  • Reduz os custos: Sem consumíveis, sem mais filme ou química
  • Meio ambiente: Reduz custos e protege o meio ambiente, já que não precisa de químicos
  • Redução de artefatos: melhora a qualidade da imagem
  • Imagens de qualidade superior: diagnóstico mais preciso (porém é importante dizer que a radiografia digital não melhorará a qualidade da imagem sem uma ótima técnica radiográfica. Consulte nossos eBooks de guias de posicionamento:
  • Economiza tempo: Reduz o número de exposições, pois, permite a manipulação das imagens para destacar diferentes detalhes (osso ou tecido mole) e assim compensar a exposição
  • Encaminhamento mais rápido: Compartilhar imagens via digital plataforma de estudos radiológicos, e-mail ou CD
  • Flexibilidade: Uso de vários tipos de placas de tamanhos variados, semelhantes ao cassete/ tela existente
  • Economiza tempo: Tempo de captura de imagem substancialmente reduzido do que o processamento úmido

 

Agora que você já conhece as diferenças entre esse os diferentes equipamentos de raio x digitais, o próximo passo é pensar na estratégia de implementação da rotina clínica de radiologia: contratação de um operador técnico especializado em posicionamento, contar com um especialista que forneça os estudos radiológicos, etc.  Neste sentido te convido a consultar um dos nossos especialistas para saber como podemos ajudá-lo.

 

WEBINAR: Diagnóstico por imagem para pequenos animais

Triagem, posicionamento, casos de estudo e procedimentos complementares Vagas limitadas!

 

 

Print
1920 Rate this article:
5.0

Please login or register to post comments.

x
Loading
  • Assine Nosso Blog

    Fique por dentro das novidades. Receba nossas atualizações.